Salmo 86 Uma lição de oração

Um homem que trabalhava como office boy de um laboratório fotográfico recebeu uma mensagem no sinal sonoro, instruindo-o a pegar um pacote em uma empresa desconhecida com um nome longo e difícil. Ele olhou para o céu e exclamou: “Deus, onde eu devo ir?” Nesse momento, o chamado dele chegou, desta vez com o endereço exato do cliente.

Um homem próximo testemunhou esta cena. Levantando os braços para o céu, ele gritou: “Por que você nunca me responde?” (Adaptado de Reader’s Digest [abril de 1991], p. 127.)

Você já desejou que a oração funcionasse assim? Você ora e instantaneamente uma voz lhe dá a resposta que você está procurando! Desculme-me! Mas considero a oração um processo muito mais difícil. Preciso de toda a ajuda possível sobre como orar de maneira mais eficaz.

O Salmo 86 nos dá uma lição útil sobre a oração. De muitas maneiras, não é um salmo muito original. É como um mosaico, reunindo versículos e frases de outros salmos e escrituras. Isso levou alguns a pensar que o próprio David não o escreveu dessa forma. Mas parece-me que Davi poderia facilmente pegar as coisas que ele já havia escrito e usá-las nessa oração. Não precisamos de originalidade em nossas orações, mas da realidade com Deus.

E o Salmo 86 é o grito sincero e sincero de um homem de Deus em uma situação desesperadora que se apodera do Deus que ele conhecia bem.

O salmo é salpicado de 15 pedidos, alguns deles repetitivos, disparados para Deus com um forte senso de urgência. Ele se divide em quatro seções: em 86: 1-7, Davi clama com grande necessidade de Deus ouvir e agir em seu favor. Então (86: 8-10), em uma deliberada declaração de louvor, Davi exalta Deus como o único Deus verdadeiro, o Senhor das nações. O elogio é deliberado, diz Derek Kidner Psalms 73-150 [IVP], p. 311), “porque os versículos finais não revelam redução da pressão, e nenhum sinal, ainda, de resposta”. Em 86: 11-13, Davi pede a Deus que lhe ensine o Seu caminho e una seu coração a temer o nome de Deus, para que ele glorifique Seu nome para sempre. Finalmente (86: 14-17), à luz de seus inimigos ferozes, Davi novamente apela à misericórdia e graça de Deus para libertá-lo.

Embora haja muitas lições sobre oração neste salmo, que podem incluir uma série de sermões, a lição principal é simples:

Nossas grandes necessidades devem nos levar a orar ao grande Deus, que sozinho pode nos libertar.

 

Quero explorar quatro perguntas: por que devemos orar? Para quem devemos orar? Como devemos orar? E pelo que devemos orar?

  1. Por que devemos orar? Devemos orar porque temos grandes necessidades.

Davi começa (86: 1): “Inclina os teus ouvidos, ó Senhor, e responde-me; porque estou aflito e necessitado. ” O fato de ele clamar por Deus para salvá- lo (86: 2, 16) mostra que Davi sabia que não poderia salvar a si mesmo. Em 86: 7, ele menciona que está no “dia da angústia”. Em 86:14, ele menciona especificamente o bando de homens arrogantes e violentos que estavam procurando sua vida. Davi estava profundamente consciente de sua grande necessidade, o que o levou a uma oração sincera.

como orar a deus e ser atendidoParece óbvio dizer que temos grandes necessidades que devem nos levar à oração. Mas a verdade é que nosso orgulho nos cega ao quão carentes realmente somos, de modo que confiamos em nós mesmos ou em outras pessoas ou em algum método sem Deus para nos livrar dos problemas. Finalmente, quando nada mais funcionou, dizemos: “Fizemos tudo o que podemos fazer. A única coisa que resta é rezar! É o nosso último recurso. Mas, como John Bunyan disse (fonte desconhecida): “Você pode fazer mais do que orar, depois de orar, mas não pode fazer mais do que orar até que tenha orado”. A oração deve ser nosso primeiro recurso!

A principal razão pela qual as pessoas não clamam a Deus para salvá-las de seus pecados é que elas não vêem sua grande necessidade como pecadoras diante do Deus santo. Eles se consideram basicamente bons. Claro, eles sabem que não são perfeitos, mas não são pecadores do mal ! Eles se comparam com terroristas e molestadores de crianças e pensam: “Estou bem”. Não vendo sua necessidade desesperada, eles não clamam a Deus para salvá-los.

Mas, mesmo quando somos salvos, caímos nessa mesma armadilha. Estamos alheios ao poder do inimigo, que ronda como um leão que ruge, procurando nos devorar ( 1 Pedro 5: 8 ). Ignoramos o forte apelo do pecado interior que se esconde dentro de nós ( Gálatas 5:17 ). Não reconhecemos nosso próprio egoísmo, o que prejudica nossos relacionamentos na família e na igreja.

E assim, não oramos. Portanto, talvez a nossa primeira oração deva ser: “Deus, mostre-me minhas grandes necessidades que somente você pode satisfazer”.

  1. A quem devemos orar? Devemos orar ao único Deus verdadeiro, grande em poder, amor, graça e misericórdia.

Este salmo mostra que Davi conhecia o Deus a quem estava orando. Conhecer os atributos de Deus e Suas promessas nos dá esperança e perseverança na oração. Para nos aproximarmos do santo trono de Deus, precisamos saber que Ele é bom, pronto para perdoar e abundante em benignidade para todos que O invocam (86: 5). Devemos saber que Ele é “misericordioso e gracioso, lento para irar-se e abundante em benignidade e verdade” (86:15). Nesta oração, Davi basicamente coloca quem Deus é contra seus inimigos e deixa o resultado para Deus.

R. DEUS É O ÚNICO DEUS VERDADEIRO, GRANDE EM PODER.

Davi exclama (86: 8-10): “Não há ninguém como você entre os deuses, ó Senhor, nem obras como a sua. Todas as nações que fizeste virão e se prostrarão diante de ti, ó Senhor, e glorificarão o teu nome. Pois você é grande e faz ações maravilhosas; Você sozinho é Deus.

Sete vezes neste salmo, Davi usa o nome Adonai ou Senhor (3, 4, 5, 8, 9, 12, 15). Ele enfatiza o senhorio e a soberania de Deus. Ele fez as nações. Ele ordenou que todos eles venham e adorem diante dEle. Ele é grande e faz ações maravilhosas. O Senhor sozinho é Deus.

Ao se referir aos “deuses”, Davi quer dizer os ídolos ou demônios que os pagãos adoram. Satanás é chamado o deus deste mundo (ou “idade”, 2 Cor. 4: 4 ; João 12:31 ). O mundo inteiro está em seu poder ( 1 João 5:19 ). Paulo, referindo-se aos demônios, diz que existem muitos deuses e muitos senhores no céu e na terra ( 1 Cor. 8: 5; 10:20 ). Esses demônios são seres espirituais, organizados sob Satanás, com grande poder sobre indivíduos e nações inteiras ( 2 Tes. 2: 9 ; Atos 19: 13-16 ; Dan. 10:13, 20 ).

Mas, no tempo que Deus determinar, Ele trará fogo do céu para destruir Seus inimigos. Satanás e todos os demônios serão jogados no lago de fogo, onde serão atormentados para todo o sempre ( Ap 20: 9-10 ). E mesmo agora, antes desse tempo, temos a certeza ( 1 João 4: 4 ): “maior é aquele que está em você do que quem está no mundo”.

Isso deve nos dar grande confiança para orar. Embora as forças das trevas sejam poderosas, nenhuma delas se compara a Deus. Como Deus desejou que todas as nações que Ele criou o adorassem, podemos orar pelos povos perdidos do mundo, sabendo que Deus abençoará nossos esforços missionários. Pode haver contratempos temporários, como costuma acontecer na história da igreja. Mas, finalmente e finalmente, Deus prevalecerá. Podemos orar a Ele como o único Deus verdadeiro, grande em poder.

B. DEUS É GRANDE EM AMOR, GRAÇA E MISERICÓRDIA.

Duas vezes (86: 3, 16), Davi pede a Deus que seja gentil com ele. Duas vezes novamente (86: 5, 15), ele cita Êxodo 34: 6-7 , onde Deus se revelou a Moisés. Aqui está como Deus se revelou: “O Senhor, o Senhor Deus, compassivo e gracioso, lento para irar-se e abundante em benignidade e verdade; quem mantém a benignidade para milhares, que perdoa iniqüidade, transgressão e pecado; todavia, Ele nunca deixará o culpado impune.

Essa grande auto-revelação de Deus é um dos textos mais citados no Antigo Testamento. É referido em Números 14:18 ; Neemias 9:17 ; Salmos 103: 8 e 145: 8; Joel 2:13 ; e Jonas 4: 2 . Aqui, em 86: 5, Davi o usa para apelar a Deus para responder à sua oração: “Pois tu, Senhor, és bom, e pronto a perdoar, e abundante em benignidade para todos os que te invocam”. Novamente (86:15), Davi ora: “Mas tu, ó Senhor, és um Deus misericordioso e gracioso, lento para irar-se e abundante em benignidade e verdade”.

Uma vez que esta é a revelação repetida de Deus de Si mesmo para nós, ela nos fornece uma base segura para abordar Seu trono de graça para receber misericórdia e encontrar graça para ajudar em nossos momentos de necessidade ( Hb 4:16 ). Se você nunca veio a Deus através de Jesus e Seu sangue derramado para receber perdão por seus pecados, Ele o convida a vir e pedir. Você receberá Sua abundante misericórdia e graça.

Se, como cristão, você falhou com Deus por pecar, Ele o convidou a pedir perdão, misericórdia e graça. Quando Davi pede a Deus para preservar sua alma e acrescenta (86: 2), “porque eu sou um homem piedoso”, ele não significa que ele merece que Deus responda com base na piedade de Davi. Davi pecou frequentemente, às vezes de maneiras importantes, como você sabe. Em vez disso, a palavra piedosa deriva da palavra hebraica ( hesed ) para bondade ou amor leal a Deus. Significa que Davi é um seguidor leal do Senhor (HC Leupold, Exposição de Salmos [Baker], p. 618). Davi não está sendo honesto, mas simplesmente afirmando que ele foi comprometido com o Senhor.

Se você está seguindo o Senhor, mas está lutando com problemas avassaladores além de sua capacidade de lidar, Ele o convida a vir como você está ao trono da graça de Deus para receber misericórdia e graça para ajudar no seu tempo de necessidade. E no caso de você está preocupado que seus problemas são grandes demais ou que você tenha grampeado Ele de uma vez muitas vezes, ele repetidamente lembra que a sua benignidade é abu n dant ! Você não pode esgotar o amor dele!

O abundante amor, graça e misericórdia de Deus deve motivar-nos a procurá-lo em oração com todas as nossas necessidades, grandes ou pequenas. Suponha que você era pobre e um bilionário super rico lhe disse: “Tenho mais dinheiro do que posso gastar. Sempre que precisar, basta perguntar e eu atenderei a sua necessidade. Você não perguntaria frequentemente? Talvez você sinta que estava impondo seu tempo, mas Deus não está limitado pelo tempo.

Não é como se inscrever para o bem-estar: não há nenhum aplicativo a ser preenchido para justificar sua necessidade. Não há linhas para aguardar para apresentar seu caso. Apenas venha ao Pai gracioso e amoroso com suas necessidades. Se você pecou, ​​Ele está pronto para perdoar. Se você sente que não merece a bênção de Deus, a graça é para quem não merece. Ele é abundante em benignidade para todos que O invocam. Apenas ligue!

Então, devemos orar porque temos grandes necessidades. Oramos a Deus que é grande em poder, amor e misericórdia.

  1. Como devemos orar? Devemos orar sinceramente, continuamente, felizmente, com humildade e fé.

como orar a deus de madrugada

O estreito relacionamento de Davi com Deus permeia toda a oração. Ele conhecia Deus intimamente e pessoalmente. Então ele se sentiu livre para derramar seu coração como ele faz aqui.

A. ORE SINCERAMENTE.

A seriedade e a intensidade de Davi escorrem de toda a oração. Isso decorre de sua consciência de sua grande necessidade. Se Deus não responde, Davi sabe que está condenado. Então ele clama de coração para que Deus o salve desses inimigos poderosos.

A questão é que ele não estava resmungando através de uma liturgia formal. Ele não estava apenas descendo uma lista de orações sem pensar. Como um mendigo faminto, ele estava pedindo a Deus que lhe desse comida. John Bunyan (“Orar no Espírito”, As Obras de John Bunyan[Baker], 1: 633) mostra dois mendigos que chegam à sua porta. Um é pobre, coxo, ferido e quase morrendo de fome. O outro é saudável e robusto. Ambos usam as mesmas palavras para pedir comida. Ambos dizem que estão morrendo de fome.

Mas o primeiro homem fala de sua miséria e dor, enquanto o segundo mais calmamente expõe sua necessidade. Você estará mais inclinado a dar ao primeiro homem, não ao segundo. Mesmo assim, diz Bunyan, é com Deus. Aqueles que vêm a Ele por costume e formalidade, seguindo os movimentos da oração, têm menos probabilidade de serem ouvidos do que aqueles que oram sinceramente pela angústia de suas almas.

B. ORE CONTINUAMENTE.

Davi diz (86: 3): “Porque a ti choro o dia inteiro.” Mais uma vez, suas orações contínuas foram impulsionadas por sua intensa consciência de sua grande necessidade. Paulo nos diz ( 1 Tes. 5:17 ): “ore sem cessar“. Ele não quer dizer que devemos orar sem parar, o que seria impossível. Em vez disso, a palavra foi usada para tossir e repetir ataques militares. A idéia é: volte sempre à oração várias vezes ao longo do dia.

C. ORE AGRADECIDAMENTE.

Davi escreve (86:12): “Darei graças a ti, Senhor meu Deus, com todo o meu coração”. Da mesma forma, logo depois de nos dizer para orar sem cessar, Paulo diz ( 1 Tes. 5:18 ): “em tudo dai graças; pois esta é a vontade de Deus para você em Cristo Jesus. ” Não podemos dar graças a Deus de coração, a menos que sejamos submissos à Sua mão soberana em nossas circunstâncias e acreditemos que Ele está trabalhando até nossas provações juntos para o nosso bem supremo.

D. ORE COM HUMILDADE.

A oração de Davi é permeada de humildade. Ele não exige, com raiva, um tratamento melhor, à luz do fato de ser o rei escolhido por Deus. Ele não reclama: “Depois do jeito que te servi todos esses anos, mereço mais do que isso!” Antes, ele ora para que Deus seja gentil com ele (86: 3, 16). Ele se refere a si mesmo como servo de Deus, filho de Sua serva (86: 2, 4, 16). Ele admite que está aflito e necessitado. Ele admite sua fraqueza pedindo a Deus que lhe conceda força (86:16).

Não eram coisas “legais” para um rei publicar para que todos pudessem ler! Os reis têm uma imagem para manter. Os reis precisam transmitir que estão no controle da situação. Os reis querem que todos pensem que sabem como resolver problemas. Mas Davi reconhece humildemente sua fraqueza e sua necessidade da força de Deus. Mesmo assim, a oração não está pedindo a Deus que nos dê um pequeno impulso. Pelo contrário, é reconhecer a Ele e a qualquer um que esteja ouvindo que nossa necessidade é total, não parcial.

E. ORE COM FÉ.

Davi afirma sua confiança em Deus (86: 2). Ele sabe que Deus lhe responderá (86: 7). Sua afirmação (86:13), de que Deus libertou sua alma das profundezas do Seol, pode estar se referindo a uma libertação passada, ou também pode ser uma declaração de fé sobre sua necessidade atual de libertação, vendo o futuro como se já está realizado (Kidner, p. 313). Seu pedido de que Deus lhe mostrasse um sinal para o bem (86.17), não provém da dúvida. Davi não está dizendo:

“Senhor, se você me der um sinal para o bem, então eu confiarei em você”. Pelo contrário, Davi está nesta provação há algum tempo, sem qualquer indício da libertação de Deus. Seus inimigos estão exultantes: “Ha! Ele confiou em Deus, mas Deus não o libertou! ” Então Davi pede um sinal encorajador de que Deus vai responder a ele e envergonhar seus inimigos, que estavam realmente zombando do próprio Deus.

A fé não é uma questão de fechar os olhos para a realidade e pular no escuro. Antes, a fé repousa no caráter revelado de Deus e nos muitos exemplos revelados de como Ele respondeu à oração no passado. A fé não presume comandar Deus, como muitos pregadores modernos e irreverentes afirmam fazer. Até Jesus orou: “ainda não a minha vontade, mas a tua seja feita” ( Lucas 22:42 ). Mas a fé repousa no poder de Deus e no amor abundante. A fé sabe que se algo é para o nosso bem e para a glória de Deus, Ele fará.

Então, por que devemos orar? Porque temos grandes necessidades. Para quem devemos orar? Ao único Deus verdadeiro, grande em poder, amor e misericórdia. Como devemos orar? Ore sinceramente, continuamente, felizmente, com humildade e fé. Finalmente,

  1. Pelo que devemos orar? Ore pela salvação; pela alegria nas provações; por um coração dócil, obediente, obstinado e reverente; e pela glória e supremacia de Deus sobre todos.

Isso é suficiente para outro sermão, mas brevemente …

A. ORE PELA SALVAÇÃO.

Davi pede a Deus para salvá-lo (86: 2, 16), que no contexto obviamente se refere a ser libertado de seus inimigos. Mas, nos termos do Novo Testamento, ore a Deus para salvá-lo de Seu julgamento. Jesus veio como o Salvador ( Mateus 1:21 ; Lucas 19:10 ). Ele não veio para salvar pessoas decentes que precisam apenas de um impulso na auto-estima! Ele veio para salvar pecadores ( 1 Tim. 1:15 ). Se você nunca clamou a Deus por salvação, essa é sua principal necessidade!

B. ORE POR ALEGRIA NAS PROVAÇÕES.

Davi pergunta (86: 4): “Alegra a alma do teu servo.” Esse foi um pedido ousado em um momento como esse (Kidner, p. 313). CH Spurgeon disse ( púlpito do Tabernáculo Metropolitano [Publicações dos Peregrinos], 34: 630): “Deveríamos estar nos regozijando no Senhor ou almejando-o! Peça a Deus para deixá-lo infeliz, a menos que a presença consciente dele o faça feliz.

C. ORE POR UM CORAÇÃO DÓCIL, OBEDIENTE, OBSTINADO E REVERENTE.

Aqui estou focando no maravilhoso pedido do versículo 11: “Ensina-me o teu caminho, ó Senhor; Andarei na tua verdade; une meu coração para temer o seu nome. ” Em qualquer tentativa, um coração ensinável é essencial. Pergunte a Deus o que você deve aprender sobre ele e sobre si mesmo na situação difícil. Muitos de nós oram instintivamente por uma libertação rápida, mas Davi ora para que ele aprenda os caminhos de Deus para que ele ande em obediência à verdade de Deus. Ele ora para que sua lealdade não seja dispersa ou dividida, mas seja unida ou obstinada. Ele quer ser totalmente dedicado a Deus. E o resultado final é que ele temerá ou reverenciará o nome de Deus.

Muitas vezes, nas provações, as pessoas que professavam fé em Cristo quando as coisas estavam indo bem, rapidamente se voltam para o que pensam que as tirará da provação. Eles não estão interessados ​​em aprender mais sobre Cristo e Seus sofrimentos ( Filipenses 3:10 ). Eles não querem ouvir falar de andar em Sua verdade. Seus corações estão se apegando a qualquer coisa, até mesmo falsos deuses, que lhes dê alívio.

Em vez de se submeterem reverentemente a Deus, eles se irritam com Ele por permitir o sofrimento deles. Mas essas reações são indicativas da semente semeada no solo rochoso. Não tendo raízes, murcha sob provações.

D. ORE PELA GLÓRIA E SUPREMACIA DE DEUS SOBRE TODOS.

Davi profetiza que todas as nações adorarão diante de Deus e glorificarão Seu nome (86: 9). Ele também afirma que glorificará o nome de Deus para sempre (86:12). Uma razão pela qual Deus traz provações em nossas vidas é para que O invoquemos e o glorifiquemos quando Ele nos resgatar ( Sal. 50:15 ). Portanto, em todos os nossos problemas, devemos procurar maneiras de engrandecer o Senhor, para que outros sejam atraídos por Ele.

No meio de situações de risco de vida, como Davi, ainda podemos afirmar (86: 5): “Pois você, Senhor, é bom e está pronto para perdoar, e abundante em benignidade para todos que o invocam. “

Conclusão

Presidente Lincoln veio a conhecer a Cristo pessoalmente, através dos fardos que ele enfrentou durante o W Civil a r. Mais tarde, ele disse: “Fui de joelhos muitas vezes pela convicção esmagadora de que não tinha outro lugar para onde ir”. (Citado por Ray Stedman, Jesus Ensina sobre Oração [Palavra], p. 51.)

Vivemos em uma época em que nossa cidade e nossa nação precisam desesperadamente da salvação de Deus!

Você deseja pregar com conhecimento e sabedoria? Realize Sermões que edificam! [BAIXE GRÁTIS]

2 Comentários

  1. Pingback: Estudo bíblico um vale profundo demais para atravessar - Amigos da Bíblia

  2. Pingback: A masturbação é pecado? Se masturbar é pecado ou não? - Amigos da Bíblia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *